Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]


02
Fev13

Desequilíbrio

por sarahatesyou

 

É incrível como os nossos medos e inseguranças nos podem atraiçoar e fazer com que deitemos tudo a perder, com uma simples frase ou um gesto involuntário.

 

Estavam deitados sob o céu escuro e estrelado, no mesmo local onde se tinham cruzado pela primeira vez. As redondezas estavam desertas, o que tornava tudo mais fácil. Fazia frio, mas evitavam a todo o custo tocar-se, ou mesmo olhar-se. Ele estava com a cabeça deitada ao pé da dela, embora os corpos de ambos apontassem para direções diferentes. "Eu sei que não queres e vais evitar a todo o custo falar sobre ele comigo.", principiou. Tentou a todo o custo manter o discurso ao mesmo nível, mas conheciam-se há tempo mais que suficiente para ela notar na pontinha de desdém com que cuspiu 'ele'. "Mas eu tenho que te perguntar isto:" O silêncio dela convidou-o a continuar. "O que é que ele tem que eu não tenho?" questionou em tom algo desesperado.

 

Ela manteve-se em silêncio. Um silêncio prolongado. Ouvia-se o rio. E grilos, também se ouvia o cantar dos grilos. Um longo suspiro anunciava a resposta dela, tal como a pouca vontade que tinha de discutir este assunto. "Pergunto-me o mesmo, sabes? O que é que elas têm que eu não tenho?" Os olhos cinzentos dela fitaram os olhos castanhos dele por breves instantes, antes de os redirecionar para o céu. "Sei lá. Acho que, por tua causa, espero demasiado dos homens. Depois de ti as expectativas ficaram demasiado elevadas, já te disse mais que uma vez que o problema não és tu e nunca foste tu. Sempre foste o namorado perfeito que qualquer uma deseja, mas tu também sabes que não sou qualquer uma. Tu sabes que só quero quem não me quer e quem não posso ter. Mas já nem me importo, sabes? Já aceitei que isto é o karma, e que o que ele me está a fazer - ainda que sem intenção - é o que eu te fiz. Mas vinte vezes pior. Mas o mau disto é que a minha autoestima já não existe, cheguei ao ponto de me comparar com as outras para tentar perceber o que tenho de errado e já chegou ao ponto de nem me conseguir olhar ao espelho, porque já não consigo gostar de nada em mim." Sorriu. "Neste momento, ninguém me odeia tanto como eu me odeio a mim mesma."

 

Sentiu os olhos embaciar e calou-se, na esperança de conseguir engolir o choro. Não que tivesse problemas em chorar em frente dele, já o tinha feito mais que uma vez e ele era claramente a única pessoa em todo o mundo com autorização para a ver no estado mais frágil. "O problema aqui não és tu. O problema sempre fui eu. E agora, três anos depois, voltei ao meu estado natural: deprimida e condenada a ficar sozinha para sempre. Porque ninguém consegue estar com alguém tão mentalmente desequilibrado como eu. Nem tu."

Autoria e outros dados (tags, etc)


1 crítica

Sem imagem de perfil

De umaraparigadesapatilhas a 07.03.2013 às 17:28

mais valia. anda aqui uma pessoa a trabalhar que se fode, já não basta a merda de horários que tem e ainda nos cortam os transportes, acho que sim. É uma maneira de obrigar as pessoas a usar os carros e a foder-se nos estacionamentos inexistentes do porto.

criticar



the author && the blog

sadie. 24. portuense e benfiquista. ninguém vai ler isto.

O Humanity is Overrated é a minha caixa negra/um blog sobre assuntos. Todos os textos são originais, sendo assinalados os excertos retirados de outros sítios. Todas as imagens são retiradas da internet, as que me pertencem estão assinaladas. Se alguma delas lhe pertence ou se estiver a infringir algum direito de cedência de imagens pede-se o favor de me contactar via comentário ou por e-mail (humanityisoverrated@sapo.pt) e a mesma será eliminada.

Licença Creative Commons



quote of the week

"to be awake is for us to think and for us to think is to be alive" — Car Radio, twenty one pilots

cantinho de leitura


gira-discos


featured