Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


03
Nov13

Esfaqueia-mos.

por sarahatesyou

Olá amigos.


Aqui há uns tempos um jovem entrou na escola e esfaqueou cerca de meia dúzia de pessoas. Vi logo meio mundo dizer que o que o jovem precisava era de chinelada na tromba e que os pais não lhes dão educação por isso é que eles fazem essas coisas. Depressa as televisões acabaram por explicar que o rapaz era calado, bem comportado, bom aluno e que nada fazia prever o que se ia passar.

 

Surpreendentemente eu venho em defesa do rapaz.

 

As pessoas não sabem o que é a escola. Normalmente pensam que é aquele sítio onde aprendemos e estamos com os nossos amigos e que quando alguém diz "Não quero ir à escola" é porque é um preguiçoso que não quer fazer nada. Não é bem assim.
Fiz parte da maioria que acha a escola um pesadelo. Ainda assim sobrevivi ao secundário. HOORAY! Houve, porém, gente que não.


A escola é o sítio mais cruel que existe. Somos gozados porque sim e porque não. Espezinhados. Sentimo-nos em baixo e vemos a escola como uma ameaça - deixa de ser um sítio onde vamos aprender para ser um local de tortura. Quando chegamos a casa os nossos pais falam sobre o trabalho, pois nada mais importa. Nascemos para trabalhar, quais formigas. Somos formatados desde pequenos em ciclos e trajetos monótonos que não passam do mesmo. Nascemos, vamos para a escola estudar para trabalhar toda a vida e ter dinheiro para viver para depois morrer. Fixe.

 

Ninguém repara nas olheiras debaixo dos teus olhos. Ou nos cortes que tens nos braços e/ou nas coxas. Ninguém repara no teu esforço. Ninguém repara que não falas sobre o teu dia. Ninguém repara que não sais com amigos. Ninguém repara que não falas sobre os teus amigos. Ninguém repara que deixaste de festejar o aniversário. Ninguém repara que deixaste de ligar ao Natal. Ninguém repara que te isolaste. Queres falar e não podes. Queres desabafar mas sabes que se falas com um amigo ele vai achar insignificante e se falas com os teus pais chamam-te louco. Queres gritar que não estás bem mas ninguém te presta atenção. Porque te têm como calado, bem comportado, bom aluno. És indiferente na escola e em casa.

 

Bem, és indiferente tirando para aqueles que por alguma razão não gostam das borbulhas que tens na cara e fazem questão de ofender por causa delas. Sim, aquelas que nem te lembravas que existiam mas que agora são a única coisa em que consegues pensar. És indiferente excepto quando as tuas notas começam a descer e os teus pais em vez de se perguntarem o porquê de estares a piorar o teu desempenho escolar, preocupam-se em pressionar-te para subires as notas e estudares mais. Porque o importante não é como te sentes, é como te safas. Imagina que estás num jantar com uns amigos dos teus pais que têm um filho da tua idade mas que é um prodígio. "Quanto tiveste a Matemática?" "20" "Estás a ver? O/A ____ teve 20! Aqui o/a _________ teve 11. Não é difícil, pois não?" "É preciso estudar." 'Pois, se eu conseguisse', pensas.


Devo dizer-vos que quando a única forma que o vosso filho/educando/aluno tem para chamar à atenção que não está bem e precisa de ajuda é entrar numa escola munido de uma arma branca e very lights e começar a distribuir facadas, é porque vocês fizeram um trabalho miserável como pais/encarregados de educação/professores. Porque os sinais estavam todos lá, vocês é que não quiseram ver.


Se alguma vez me passou pela cabeça desatar ao tiro ou à facada na escola? A quem não passou? Se alguma vez me passou pela cabeça acabar com a minha miséria? Várias vezes.


O importante aqui é prestarem bastante atenção ao que vos rodeia porque nem tudo é o que parece e as dicas que as pessoas vão dando não são assim tão subtis. Temos todos a possibilidade de salvar vidas. Não deixem que aconteça uma tragédia para se começarem a importar.

 

Sejam amigos.
A Sara odeia-vos. ♥

 

P.S. - Aquela caixinha que está do lado direito com o título 'txt it' serve para me insultarem em privado, por isso sim, a Sara lê isto.

Autoria e outros dados (tags, etc)





quote of the week

"to be awake is for us to think and for us to think is to be alive" — Car Radio, twenty one pilots

gira-discos